LOGO VIDEOTORAX.png

Pneumotórax

O pneumotórax ocorre quando o ar penetra no espaço pleural, região entre o pulmão e as costelas, impedindo que os pulmões se expandam adequadamente. Pode ser classificado como espontâneo ou traumático.

O pneumotórax espontâneo primário ocorre em pacientes sem doença pulmonar evidente. Alguns estudiosos acreditam na diferença de pressão entre a base e o ápice do pulmão como sendo a causa. Outros afirmam que o crescimento rápido da caixa torácica dos adultos jovens é acompanhado pelo pulmão com isquemia e pouca vascularização do ápice, com consequente formação de bolhas próximas a superfície da pleura, que é a membrana que recobre o pulmão e a caixa torácica. O rompimento dessas bolhas gera o pneumotórax espontâneo primário. Esse tipo de problema é mais comum no adulto jovem, e tem uma alta taxa de recorrência.

O espontâneo secundário é consequência de alguma complicação de uma doença de base, como da DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), enfisema bolhoso, asma ou rolha de secreção. Esse tipo de problema é mais comum no adulto de meia idade.

O pneumotórax traumático é resultado de fatores externos. Como por exemplo, um acidente automobilístico ou mesmo como complicação após algum procedimento médico, como uma punção para retirada de liquido pleural.

 

Sintomas

 

A apresentação típica do pneumotórax espontâneo primário é o aparecimento súbito de dor torácica com dificuldade para respirar em adultos jovens, sem que o paciente tenha feito qualquer atividade fora do habitual. A dor normalmente pode estar acompanhada de tosse e falta de ar.

 

Quando a quantidade de ar que vaza para o espaço pleural é muita, pode provocar o colapso total do pulmão – ele fica completamente murcho, essa condição é denominada de pneumotórax hipertensivo, e tem alta mortalidade. Porém, é uma situação pouco comum. Quando

ocorre, é acompanhada por intenso desconforto respiratório, taquicardia, sudorese, palidez e hipotensão.

 

Diagnóstico

 

Para fazer o diagnóstico, a ausculta pulmonar realizada pelo médico é um dos elementos chaves para o correto diagnóstico do pneumotórax, haverá uma diminuição dos ruídos pulmonares do lado acometido. É recomendada a radiografia simples de tórax, que é capaz de dar uma informação importante, o tamanho do pneumotórax.

 

 

Tratamento

 

Pneumotórax espontâneo primário

 

O tratamento do pneumotórax é muito variado. Pode ser desde uma observação domiciliar até uma cirurgia. As primeiras questões para se elaborar um tratamento adequado são:

 

* Tamanho do pneumotórax;

* Intensidade dos sintomas e repercussão clínica;

* Se é primeiro episódio ou recorrência;

 

Uma vez que essas questões forem avaliadas, o tratamento pode seguir várias linhas:

* Analgésicos e repouso relativo em casa, após se ter certeza que o pneumotórax não está aumentando; se o paciente ficar internado o uso de suplementação de oxigênio pode apressar a reabsorção pleural do pneumotórax.

* Hospitalização e a colocação de um dreno, que irá assegurar a reexpansão do parênquima pulmonar colapsado;

* Videotorocoscopia com Segmentectomia pulmonar e Pleurodese. Que consiste em através de uma câmera de vídeo visualizar o espaço pleural, retirar um pequeno fragmento pulmonar – onde normalmente está o vazamento, e realizar a pleurodese, que é a colagem das pleuras que recobre o pulmão e o tórax por dentro. Este procedimento diminui a chance de um novo pneumotórax murchar o pulmão novamente.

Pneumotórax espontâneo secundário

O tratamento do pneumotórax espontâneo secundário está relacionado com a patologia primária que originou o episódio. Em linhas gerais o tratamento segue as mesmas regras usadas no pneumotórax espontâneo primário, mas com algumas ressalvas, pois a doença de base deve ser levada em conta.

 

Pneumotórax traumático

Exige avaliação médica específica, pois depende de muitos fatores: tamanho do pneumotórax, condições clínicas do paciente, doenças associadas, presença de ventilação mecânica, presença de sangue no espaço pleural...

Faça o agendamento online. É fácil, rápido e seguro.